sábado, 25 de outubro de 2008

ÁGUA (2ª Parte)


Haverá mesmo falta d'água na Terra?

O ciclo hidrológico, que compreende o movimento da água em suas várias formas, mantém um fluxo permanente com o volume inalterado desde o nascimento da Terra. O homem, por sua vez, tem se apropriado dos recursos sem a preocupação de preservar os ciclos naturais. A disponibilidade da água tornou-se limitada pelo comprometimento de sua qualidade.

Vivemos num mundo em que a água se torna um desafio cada vez maior.

A cada ano, mais 80 milhões de pessoas clamam por seu direito aos recursos hídricos da Terra, muitas pessoas, carecem do líquido para beber, satisfazer suas necessidades higiênicas e produzir alimentos. Infelizmente, quase todos os três bilhões (ou mais) de habitantes que devem ser adicionados à população mundial no próximo meio século nascerão em países que já sofrem de escassez de água.

Se os governos dos países carentes de água não adotarem medidas urgentes como o desenvolvimento rural sustentável (não apenas para melhoria dos indicadores sociais; desconcentrando a geração de renda; reduzindo o êxodo rural; e econômicos; mas também na preservação do meio ambiente) para estabilizar a população e elevar a produtividade hídrica, a escassez de água em pouco tempo se transformará em falta de alimentos.

A Educação Ambiental, hoje, deve ser entendida no sentido da educação para a cidadania Assim, através da questão ambiental, devem ser trabalhados conhecimentos que possam elaborar uma nova visão de mundo capaz de direcionar ações no sentido da sustentabilidade.

A situação da água potável no Brasil é alarmante: no dia-a-dia são geradas toneladas de resíduos tóxicos, descartados sem controle, como lâmpadas, pilhas, medicamentos, inseticidas, tintas, produtos de limpeza, combustíveis, equipamentos eletrônicos, dentre outros, que muitas vezes vão parar em lixões nos arredores das grandes cidades, sem a menor preocupação com os efeitos dessa poluição nos mananciais de água, solo e atmosfera.

Na região metropolitana de São Paulo, metade da água disponível está afetada pelos lixões que não tem qualquer tratamento sanitário.

No Rio de Janeiro diminuiu-se a oferta de água para fins de uso doméstico e industrial devido à poluição crescente por esgoto urbano.

A Região Norte, que tem a maior reserva de água doce do Brasil, é a que mais contamina os recursos hídricos despejando agrotóxicos, mercúrio dos garimpos e lixo bruto nos rios.

A água de má qualidade pode ser fatal. A cada ano as doenças provocadas por ela causam três milhões de mortos no mundo, crianças na maioria, e provocam mais de um bilhão de enfermidades.

O Brasil, além dos problemas de poluição dos reservatórios naturais e dos processos desordenados de urbanização e industrialização, tem como causa da degradação da qualidade da água o desperdício provocado por escoamento defeituoso nas tubulações e o desperdício doméstico.

Em Uberlândia - MG, o Programa Escola Água Cidadã insere-se no projeto de modernização do Dmae (Departamento Municipal de Água e Esgoto) ao propor a renovação de conceitos sobre a disponibilidade dos recursos hídricos - que, na atualidade, são vistos como bens finitos e em acelerado processo de esgotamento - e a difusão de práticas que preconizam a preservação das bacias hidrográficas, a exemplo da destinação correta dos resíduos sólidos. Para o Programa Escola Água Cidadã, os recursos hídricos têm sido, ao longo dos anos, tratados com negligência por governos e pessoas. Só agora, com a crise batendo à porta, é que está havendo em todo o planeta um movimento em defesa de seu uso sustentável.

Dicas para evitar o desperdício doméstico:

Feche a torneira quando for escovar os dentes ou fizer a barba. Se deixá-la aberta, estará consumindo 20 litros de água a mais.

Esteja atento a vazamentos! Uma torneira pingando consome 46 litros de água por dia e, num mês, 1.380 litros! Canos furados e vazamentos em vasos sanitários também são grandes prejuízos.

Não regue as plantas nas horas quentes do dia. A água evapora antes mesmo de atingir as raízes.

Jamais use água para varrer a calçada! Saber utilizá-la com moderação é uma questão de educação.

Use balde em vez de mangueira para lavar o carro.

Use a máquina de lavar roupas com a carga máxima e evite o excesso de sabão, que aumenta o número de enxágües.

Ao esfregar as roupas, mantenha a torneira do tanque fechada e abra-a somente no enxágüe.

Deixe os talheres e pratos de molho dentro da pia antes de lavar. E não deixe a torneira aberta enquanto os ensaboa. Você estará economizando 100 litros de água!

Tente tomar banhos de 5 minutos e, se possível, feche a torneira enquanto se ensaboa. A cada minuto, mais 20 litros de água vão embora pelo ralo.

Não devemos esquecer que:
A sobrevivência da espécie humana depende da capacidade de sustentação dos recursos naturais, particularmente da água. As diversas formas de uso da água devem obedecer ao princípio de que a utilização não pode exceder a sua capacidade de renovação. A relação do homem com o meio ambiente, baseada no indesejável tripé do descomprometimento, inesgotabilidade e irresponsabilidade, poderá consumar as previsões mais catastróficas quanto à escassez dos recursos naturais, sobretudo da água, inviabilizando dentro de poucos anos, a vida na Terra. Portanto, é fundamental a substituição por uma visão fundamentada nos princípios da sustentabilidade, racionalização e responsabilidade, dentro da qual, somos parte integrante do meio ambiente e, responsáveis pela proteção e pela elevação da qualidade de vida no Planeta.

"A comunidade global tem conhecimentos para lidar com a escassez de água. O que é necessário é agir".
Agência das Nações Unidas

Seguidores