quarta-feira, 24 de junho de 2009

Uso dos porquês

Uso dos porquês – Para nunca mais esquecer
Por mais que se saiba usá-los uma revisão sempre é bom:


Por que
Em frases interrogativas.
Ex.: Por que você me deixou esperando todo esse tempo?;Por que você não se habitua a ler jornais.
Em frases afirmativas, desde que no seu emprego esteja subtendida a idéia de motivo, causa, razão, pelo qual, para que.
Ex.: Não sei por que esse aluno é tão rebelde;O deputado explicou por que precisa de mais tempo para apresentar seu relatório;Era o apelido por que (pelo qual) era conhecido;O assessor estava ansioso por que começasse a votação.

Porque
Quando a pergunta é acompanhada de uma hipótese de resposta.
Ex.: Você não veio votar porque é contrário ao projeto?;Essa medida provisória merece prosseguimento na tramitação porque é urgente?.
Quando uma locução introduz uma explicação, um motivo.
Ex.: O deputado disse que votou contra o projeto porque o considerou lesivo aos interesses do país.

Por quê
Quando colocado no final da frase ou antes de pausa, tiver o sentido de motivo, razão pela qual.
Ex.: O cantor estava inquieto, sem saber por quê;Advertido pelo presidente da Mesa, o deputado quis saber por quê;Ninguém lhe dava atenção. Por quê?.

Porquê
Quando não apenas o sentido, mas é usado em lugar de um desses substantivos (ou seja, é substantivada): motivo, causa, pergunta, e forma, com a preposição por, uma só palavra.
Ex.: Não entendo o porquê da sua revolta;A mãe deixou de fazer o almoço e não explicou o porquê;Há muitos porquês para a queda do edifício.

Fonte: Manual de Redação da Câmara dos Deputados (2004).

Seguidores